X

Resposta à jornalista da AGEMT: termômetro infravermelho

Prezado professor Fernando Lang, sou jornalista da agência de notícias Maurício Tragtenberg. Estou produzindo uma matéria sobre o mal uso dos termômetros infravermelhos durante a pandemia, a exemplo da medição de temperatura pelo pulso.

Ao pesquisar sobre o assunto encontrei artigos seus que esclarecem o funcionamento do pirômetro, desmistificando a ideia de que fazem mal à saúde. Neles, o senhor aponta que os termômetros infravermelhos não emitem nenhuma radiação, muito pelo contrário, nós emitimos radiação infravermelha e esses equipamentos apenas fazem uma leitura.
Nesse sentido, gostaria que o senhor esclarecesse mais algumas questões:
1- O que é a radiação infravermelha? Todos os objetos a emitem?
2- Todas as partes do corpo humano emitem essa radiação? Se sim, isso acontece de forma homogênea ou há regiões de maior intensidade?
3- Por que a testa é o lugar correto para se aferir temperatura e não o pulso?
4- Além de apontar o pirômetro para a região errada do corpo, o que mais pode causar uma leitura incorreta da temperatura?
5- A exposição ao sol e a prática de exercícios antes de ter a temperatura medida podem indicar um falso diagnóstico de febre?
6- O frio pode mascarar casos de febre?
7- Quais medidas devem ser adotadas para que a temperatura mostrada no visor do pirômetro seja precisa?
8- Ao seu ver, a aferição de temperatura na entrada de estabelecimentos é eficaz no combate à transmissão da covid-19? Esse protocolo coíbe as pessoas infectadas com o vírus de saírem às ruas?
Desde já agradeço a disponibilidade e as respostas!
Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - IF-UFRGS

É importante enfatizar que um termômetro infravermelho (pirômetro) nada emite para realizar a medida de temperatura. O laser desses termômetros apenas funciona como o “sistema de pontaria” que indica a região da superfície corporal (ou de algum outro objeto) que se deseja medir a temperatura. No termômetro entra através de uma lente a radiação infravermelha emitida pela superfície para a qual ele foi apontado, sendo analisada pelo termômetro e resultando em uma medida da temperatura. Vide mais em Notícia falsa: o laser infravermelho do termômetro faz mal!

E agora as respostas aos questionamentos:

1- O que é a radiação infravermelha? Todos os objetos a emitem?

A radiação infravermelha (IV) é uma radiação eletromagnética, portanto de mesma natureza que a da luz, das micro-ondas, das ondas de rádio e muitas outras. Vide mais em Radiação Eletromagnética.

Todos os objetos do nosso cotidiano, sem exceção, emitem radiação IV e esta emissão depende da temperatura da superfície emissora e da sua emissividade térmica.

Vivemos sempre banhados por radiação IV, mesmo em um quarto escuro, e sempre a emitimos também. Vide mais Radiação térmica e ondas eletromagnéticas.

2- Todas as partes do corpo humano emitem essa radiação? Se sim, isso acontece de forma homogênea ou há regiões de maior intensidade?

Todas as superfícies corporais emitem a radiação IV mas a intensidade da emissão é dependente da temperatura da superfície considerada. Portanto a radiação IV não é homogênea em diferentes partes do corpo, sendo mais intensa em regiões mais aquecidas do nosso corpo.

3- Por que a testa é o lugar correto para se aferir temperatura e não o pulso?

A testa é um dos lugares corretos (o interior da boca, o reto, embaixo das axilas são outros) para se detectar o estado febril pois ali a temperatura é mais elevada que em outras partes expostas do corpo. As mamães, vovós e titias (médicos também)  aferem grosseiramente pelo tato o estado febril de seus próximos tocando-lhes a testa com a mão aberta, reconhecendo estar ou não mais quente do que o usual.

O pulso apresenta temperatura cerca de 2°C inferior à temperatura de outras partes do corpo utilizadas para estabelecer se uma pessoa está em estado febril (eu próprio já testei essa diferença em diversas pessoas). Portanto é completamente sem sentido apontar o termômetro para o pulso. Aliás, os manuais dos termômetros explicitamente indicam a testa como se pode ler, por exemplo, na página 7 de Termômetro Incoterm.

4- Além de apontar o pirômetro para a região errada do corpo, o que mais pode causar uma leitura incorreta da temperatura?

Qualquer circunstância externa ao sujeito que modifique a temperatura da pele da testa, a aquecendo ou a refrigerando é fonte de distorção do verdadeiro estado térmico do sujeito.  A pele da testa deve estar seca e limpa e a lente frontal do termômetro igualmente limpa.

Além disso devem ser usados  termômetros IV construídos especificamente para a medida da temperatura corporal. Existem outros termômetros IV, com a aparência semelhante aos adequados, que são construídos para medidas de temperatura de fornos de cozinha ou de interiores de refrigeradores ou para fins industriais e que não tem sensibilidade dos termômetros indicados para o uso medicinal.

5- A exposição ao sol e a prática de exercícios antes de ter a temperatura medida podem indicar um falso diagnóstico de febre?

Sim de acordo com especialistas do Kaiser Permanente, em Doenças Infecciosas Dr. Michael Horberg e a médica de Medicina Familiar Heidi Meyer. Alertam que as medidas de temperatura devem ser feitas em no mínimo 3 minutos após o término de exercícios (vide Verify).

Os manuais dos termômetros recomendam que as medidas de temperatura devem ser realizadas algum tempo após a prática de exercícios como se pode ler na página 2 de Termômetro Incoterm.

6- O frio pode mascarar casos de febre?

Sim e vou dar o resultado de um experimento que acabei de fazer. Medi a temperatura da minha testa enquanto trabalhava escrevendo esta resposta, sendo a temperatura ambiente 27°C , e encontrei 36°C. Depois fui ao ar livre, temperatura de 21°C e brisa perceptível, aguardei alguns minutos, e a medida da temperatura da minha testa resultou em 34°C.

Este experimento permite facilmente questionar as medidas de temperatura em entradas de estabelecimentos comerciais no inverno, mesmo feitas na testa, como aconteceu por aqui no início da pandemia.

7- Quais medidas devem ser adotadas para que a temperatura mostrada no visor do pirômetro seja precisa?

O sujeito deve estar em ambiente no qual a temperatura não seja inferior a 25°C, livre de fortes correntes de ar,  durante no mínimo alguns minutos e então efetuar uma medida da temperatura da testa com o termômetro IV para uso medicinal, repetindo-se a medida algumas vezes.

8- Ao seu ver, a aferição de temperatura na entrada de estabelecimentos é eficaz no combate à transmissão da covid-19? Esse protocolo coíbe as pessoas infectadas com o vírus de saírem às ruas?

Os monitoramentos de temperatura em entradas de shoppings, lojas, etc apenas serviram como um simulacro de que medidas sanitárias estavam sendo tomadas. Além de essas aferições de temperatura, realizadas de forma inadequada, serem inócuas para a detecção de estados febris, seja por causa da utilização de termômetros inapropriados ou por aferição da temperatura do pulso ao invés da testa, produziram apenas uma sensação de segurança (falsa!) para os frequentadores daqueles estabelecimentos comerciais.

Um colega relatou que tendo percebido que a medida no pulso de alguém havia sido 32°C, disse à pessoa que fazia a medida: “Bah, apenas 32°C!” A pessoa lhe respondeu: “Não vi!”, caracterizando muito bem que o procedimento era um fingimento.

Finalmente, é por demais sabido que pessoas podem ser transmissoras do vírus sem apresentar sintomas.

______________________

Acesse por aqui todas as outras postagens do Pergunte ao CREF sobre Termômetro infravermelho.

“Docendo discimus.” (Sêneca)


2 comentários em “Resposta à jornalista da AGEMT: termômetro infravermelho

  1. Filipe Brandao disse:

    Muito esclarecedor! Obrigado professor Lang.

  2. Caroline Rodrigues disse:

    Parabéns pela didática das respostas.

Acrescente um Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *