X

Usando o aterramento ao invés do neutro: é possível?

Olá professor! Lendo seu artigo sobre a existência de corrente no fio neutro – No fio neutro da nossa casa passa corrente? –  fiquei com uma dúvida…

Se eu ligasse um equipamento na tomada, mas com um pino da tomada no fase e o outro no TERRA, este equipamento funcionaria normalmente?

Abraços!

Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - www.if.ufrgs.br/~lang/

Era eu jovem quando fui visitar um amigo no interior  cujos pais eram agricultores. Surpreendi-me ao ver que a residência da família de meu amigo recebia APENAS um fio elétrico vindo de um transformador em um poste distante da casa. Depois me surpreendi mais uma vez  ao reparar na linha que chegava naquele poste com o transformador; a linha também era monofilar.

Pela primeira vez eu estava vendo o sistema de eletrificação MRT (Monofásico com Retorno pela Terra). Este sistema, usado em áreas rurais em diversas partes do mundo, exemplifica a possibilidade de usar o aterramento como o segundo condutor (condutor de retorno).

Na casa de meu amigo as tomadas elétricas tinham aparência igual a das tomadas que eu conhecia. Entretanto um dos terminais estava ligado ao fio de alimentação (fase), enquanto o outro estava ligado ao aterramento.

Para que este sistema funcione da melhor forma possível é importante garantir um bom aterramento.

Entretanto o sistema MRT tem limitações na transmissão de potência, não sendo adequado para a transmissão de altas potências. Na zona rural a demanda de potência dos consumidores é suficientemente baixa para que o sistema MRT opere.

“Docendo discimus.” (Sêneca)

______________

Meu primo e professor aposentado da UFRGS, Engenheiro Luiz Foernges comentou:

E, quando iniciamos na PARKS com os alarmes bancários por volta de 1971, em algumas cidadezinhas do interior até o sistema de telefonia era monofilar com retorno por terra. Num belo dia houve num desses lugares um temporal com raios, imagina, não sobrou nada do sistema telefônico do lugar, nem do alarme…
O sistema telegráfico antigamente também era com retorno por terra.
E quando eu brincava com “arco voltáico”, pegava o fase e o retorno era via uma resistência de fio de ferro galvanizado que eu ligava na torneira do tanque na casa dos meus pais…
Abraço,
Luiz
____________________________________________________ 
 
Comentário no Facebook em 21/02/2016
 
Dario Eberhardt – Nas instalações elétricas atuais é instalado um disjuntor de proteção conhecido por DR, este compara a corrente que passa na fase e volta pelo neutro, quando ocorre a diferença ele desarma interpretando choque.

Visualizações entre 27 de maio de 2013 e novembro de 2017: 10649.


5 comentários em “Usando o aterramento ao invés do neutro: é possível?

  1. Diógenes Barbosa disse:

    Muito Ótima a Explicação!!!
    Agora entendi pq existe o Neutro…

  2. Raimundo Izaac disse:

    Professor.
    Boa tarde, parabéns pelas excelentes explicações.
    Recetemente, assisti um video no youtube que fiquei em dúvidas.
    Um eletricista efetuando o aterramento, sem uma base legal, ele para medir a resistência de terra, retirou do quadro geral uma fase e ligou no disjuntor.
    Após isso ligou em uma haste de terra.
    Ele até faz uma refêrencia George simon ohms, mas a meu ver é totalmente errado.
    Gostaria de saber se posso enviar o link para sua análise e comentários.

  3. Jailton disse:

    Boa noite, eu morei em Arraial do Cabo no Distrito de Figueira, lá todas as casas só tinha uma fase vindo do poste e o neutro era feito com cano de ferro no chão, eu tinha ligado nesse sistema, uma geladeira uma TV, máquina de lavar e as luzes de casa e nenhum morador teve problema com esse sistema até ser feito o sistema atual e nem ouve queima de aparelhos.

Deixe uma resposta para Diógenes Barbosa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *